Estado de Alerta: Epidemia de Dengue


Hoje estou aqui para falar sobre um assunto muito sério, que tem se tornado tema de pesadelo de muitas pessoas nessas últimas semanas: a Dengue!

Moro no interior de São Paulo, na RMC - Região Metropolitana de Campinas, e por aqui todos estamos em alerta máximo sobre a Dengue, já que estamos vivendo uma epidemia nunca antes vivenciada. São muitos casos confirmados, muitas internações e muitos laudos ainda para serem confirmados. Os hospitais da cidade estão enviando para análise cerca de trezentas amostras de sangue por dia! 

As mídias sempre veiculam sobre o problema, principalmente no início do ano, pois o verão promove por si só a procriação, favorecida com as chuvas comuns nessa época. No entanto, esse ano vivemos uma situação atípica. Não choveu nos meses de janeiro e fevereiro e mesmo assim a epidemia se instalou. Imagine só agora que as chuvas começaram? Cabe a cada um de nós, cidadãos, fazermos a nossa parte para juntos vencermos esse simples mosquito que pode causar a morte.




O mosquito da dengue é facilmente reconhecido por ser preto e apresentar nas pernas as manchas brancas. Somente a fêmea pica, e sempre durante o dia. A transmissão acontece quando um mosquito pica uma pessoa contaminada. O período de incubação varia entre 7 e 10 dias, o mesmo tempo médio que uma pessoa demora para apresentar os primeiros sintomas.

No mundo todo exitem quatro tipos de dengue: N1 (o mais comum), N2 (hemorragica), N3 e N4. Por aqui estamos vivendo a epidemia da dengue tipo N4. Ainda não existe vacina. Quem já foi contaminado com um dos vírus desenvolve resistência para aquele tipo, mas pode pegar ainda um dos outros três tipos. Pior, se já tiver sido infectado antes, a dengue pode evoluir para um quadro hemorrágico que pode levar a morte.

Não tem vacina e também não tem remédio. As pessoas que pegam o vírus padecem cerca de uma semana. Os sintomas são febre, dores de cabeça e no corpo. Muitas estão lotando os hospitais para tomar soro. A única forma de nos protegermos é usar o repelente e, claro, adotar medidas para que o mosquito não coloque seus ovos evitando que eles reiniciem o ciclo. Medidas simples como verificar se a caixa da água está devidamente tampada, se não há objetos no quintal acumulando água, colocar areia nos pratos de flores ajudam a eliminar os focos favoráveis a procriação.

Eu, que tenho uma pequena em casa, estou vivendo praticamente a base de repelente. Imagine só uma criança com dengue? Faço a minha parte e espero que todos façam! Eu já tive três alunos, nas últimas duas semanas, afastados porque foram contaminados com o vírus. O caso é sério e requer o comprometimento de todos, pois somente unidos seremos mais fortes que o mosquito da dengue.

E você, está fazendo a sua parte?



Comente com sua conta Blogger
Comente com sua conta Google+

2 comentários:

  1. Aqui na cidade de Santos temos campanha o ano inteiro, pois esse mosquitinho adora nos incomodar.

    www.blogbelissima.com.br

    ResponderExcluir
  2. A dengue é um assunto que parece que foi esquecido mais na verdade ela continua em vários lugares e fazendo vítimas, temos que ter muito cuidados com esse mosquito.

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre muito bem vindo!



Instagram

Arquivos

Dados do blog

Dias online
Postagens
comentários